ONG Parceira do PortoWeb

Um ano após as ameaças do Comando Barneix o silêncio ensurdecedor do governo uruguaio

Este domingo marcou o aniversário de um ano da ameaça de morte contra ativistas e defensores dos direitos humanos executados pelo chamado Comando Barneix. Jair Krischke, presidente do Movimento para a Justiça e Direitos Humanos de Porto Alegre e assessor da Rel-UITA, que está entre as personalidades ameaçadas, disse que a responsabilidade que não foi investigado e condenado os autores de ameaças é o governo por Tabaré Vázquez.



AMALIA ANTÚNEZ - Foto: Gerardo Iglesias

"Por cada nova acusação de um soldado", disse a mensagem do Comando Barneix, "três pessoas na lista serão mortas".

Os nomes aparecendo mencionados foram o Ministro da Defesa Jorge Menendez , o promotor do Tribunal Jorge Diaz , o ex-promotor Mirtha Guianze , o exvicecanciller Belela Herrera , advogados Oscar Lopez Goldaracena , Federico Alvarez Petraglia , Pablo Chargoña , Juan ERRANDONEA , Juan fagundez , Hebe Martínez Burlé , o jurista francês Louis Joinet , a pesquisadora italiana Francesca Lessa e Jair Krischke .

"Um ano passou e, infelizmente, nada foi feito pelo governo uruguaio em relação às ameaças que recebemos. Por que nada foi feito é a questão principal que eu represento como uma das pessoas envolvidas ", disse Jair .

De acordo com análises ativista é surpreendente que o governo atual, um dos seus membros mais notórios, o ministro da Defesa, estava entre aqueles ameaçados, não é mesmo parte de uma audiência neste caso ocorreu em maio do ano passado, em Buenos Aires na sede da Comissão Interamericana de Direitos Humanos ( CIDH ).

" Não tenho nenhuma explicação para esse silêncio ensurdecedor do governo uruguaio que, em última análise, resulta na proteção e promoção da impunidade ", afirmou.

Omissões oficiais
Nada aqui, nada lá
O caso das ameaças de morte e a passividade com que as autoridades comparecem antes dos fatos, além da notória falta de investigações graves a esse respeito, também afetaram o trabalho realizado pela pesquisadora italiana Francesca Lessa , que estava conduzindo uma investigação acadêmica. para a Universidade de Oxford no Uruguai .

Lessa teve que deixar o país depois que ambos de Oxford e a embaixada italiana consideraram que o Uruguai não oferece garantias devidas para dar continuidade ao seu trabalho.

"Tendo em mente que um ano passou e não houve sinal positivo do governo, um grupo de pessoas afetadas decidiu escrever uma carta aberta ao presidente Vázquez, onde enumeramos a série de casos que precederam o nosso e também onde exigimos um cargo que fim da impunidade deste grupo ", disse Jair .

Entre outras coisas, a nota lembra que " infelizmente essa ameaça não é um evento isolado, mas já é parte de um padrão alarmante de eventos ocorridos nos últimos anos no Uruguai contra jornalistas, operadores judiciais, defensores de direitos humanos, e antropólogos forenses ".

Jair também lembrou que quando ele teve que viajar para o Uruguai em julho de 2017 para a apresentação de um livro, ele pediu proteção ao Ministério das Relações Exteriores e não obteve nada além do silêncio.

A militância de Krischke está intimamente ligada ao Uruguai .

Durante a ditadura salvou milhares de compatriotas das garras do Plano Condor . O caso de Lilián Celiberti e Universindo Rodríguez , dois uruguaios seqüestrados em Porto Alegre em 1977, juntamente com os dois filhos de Lilián , foi o mais emblemático.

É por isso que Jair não esconde sua descrença e desapontamento na posição do governo Vázquez e, em contraste, obrigado pela atitude sempre comprometida da Rel-UITA neste caso.

"O primeiro suporte que recebemos foi da Rel-UITA . Essa organização também foi a primeira a alertar o mundo sobre o assunto e espalhar, denunciar e dar solidariedade, especialmente comigo ", afirmou.


NOTA DE PESAR - Morreu Eva Sopher
Ameaça aos Direitos Humanos
Entrevista - Jair Krischke - A Operação Condor foi inventada no Brasil
OAB lotou para entrega do Prêmio Direitos Humanos de Jornalismo.
-Vejam os vencedores do 34º Prêmio Direitos Humanos de Jornalismo que receberão suas premiações às 20 horas no auditório da OAB/RS - Rua Washington Luiz, 1.110 – 2º andar - Porto Alegre/RS. -
HOJE, 10 DE DEZEMBRO, É COMEMORADO O DIA INTERNACIONAL D OS DIREITOS HUMANOS
CERIMÔNIA DE ENTREGA DOS PRÊMIOS - Vejam os vencedores do 34º Prêmio Direitos Humanos de Jornalismo - Dia 11 de dezembro de 2017, às 20 horas - Auditório da OAB/RS - Rua Washington Luiz, 1.110 – 2º andar - Porto Alegre/RS
Justiça da Itália ouve presidente de ONG de direitos humanos em processo contra ex-agentes da ditadura
Pesquisadora da University of Oxford, de Londres faz pesquisa sobre a Operação Condor em arquivos do Movimento de Justiça e Direitos Humanos do Rio Grande do Sul
Encerram hoje (20/11/2017), às 18h, as inscrições para participar no 34º Prêmio Direitos Humanos de Jornalismo
ATENÇÃO: AS INSCRIÇÕES AO 34º PRÊMIOD DIREITOS HUMANOS DE JORNALISMO ENCERRAM DIA 20 DE NOVEMBRO de 2017
Triste notícia. Morreu o jornalista Fernando Antônio Lemos Goulart
O Brasil perde uma eferência na ciência política, Moniz Bandeira, que morre aos 81 anos
Abertas as inscrições para o 34º Prêmio Direitos Humanos de Jornalismo 2017
34º Prêmio Direitos Humanos de Jornalismo
El futuro de los derechos humanos
Meio século depois, líderes da Operação Condor seguem sem punição
OAB-SP lança documentário sobre história da entidade
Livro aborda o sequestro dos Uruguaios na Operação Condor

Página 1 | 2 | 3 | 4 | 5 | 6 | 7 | 8 | 9 | 10 | ... || Próxima

A+-     A  ?
» Contatos
Movimento de Justiça e Direitos Humanos

Av. Borges de Medeiros, 340 - 94
Porto Alegre - RS

 (51) 3221-9130
 Fale Conosco









Desenvolvimento PROCEMPA