ONG Parceira do PortoWeb

Der Spiegel: Volkswagen espionou e torturou funcionários durante ditadura no Brasil

"Der Spiegel": Volkswagen espionou e torturou funcionários durante ditadura no Brasil

Revista alemã publicou resultado de investigação solicitada pela fabricante

Nesta segunda-feira (24) a revista alemã Der Spiegel publicou o resultado de uma investigação sobre o envolvimento da Volkswagen com a ditadura militar brasileira (1964-1985). 

A denúncia compreende que o departamento de segurança da Volkswagen teria espionado e contribuído para detenções de funcionários em São Bernardo do Campo (SP).

Segundo a reportagem a sondagem foi solicitada pela própria fabricante de veículos. Jornalistas analisaram documentos da filial brasileira e na sede alemã, em Wolfsburg, classificados como documentos secretos pelo Departamento de Ordem Política e Social (Dops) e relatórios confidenciais do Ministério das Relações Exteriores da Alemanha.

"Operários eram presos na planta da fábrica e, em seguida, torturados", publicou o Süddeutsche Zeitung.

 

Descrição: Spiegel aponta que a investigação constatou que alguns galpões em São Bernardo do Campo foram cedidos aos militares e usados como centros de detenção e tortura

Spiegel aponta que a investigação constatou que alguns galpões em São Bernardo do Campo foram cedidos aos militares e usados como centros de detenção e tortura

 

Os repórteres tiveram acesso às atas de investigação do Ministério Público de São Paulo e realizaram entrevistas com alguns ex-funcionários da Volkswagen do Brasil, acrescenta. Muitos confirmaram que foram detidos na fábrica em 1972. Eles faziam parte de um grupo de oposição à ditadura, distribuíam folhetos do Partido Comunista e organizavam reuniões sindicais, explica Spiegel.

O dossiê confirma que a filial brasileira espionou seus trabalhadores e suas ideias políticas e que esses dados acabaram em "listas negras" do Dops. As vítimas lembraram como foram torturadas durante meses, destaca Spiegel.

"A Volkswagen roubou dois anos da minha vida", contou o ex-operário Lúcio Bellentani, 72, que afirmou ter sido preso por 16 meses e torturado. 

"Indiretamente a empresa foi responsável por numerosos casos de tortura e perseguição. Ela deve ter a dignidade de reconhecer sua responsabilidade."

O periódico alemão complementa que o historiador Christopher Kopper confirmou que em 2016 foi nomeado pela empresa para a investigação sobre a existência de "uma colaboração regular" entre o departamento de segurança da filial brasileira e o Dops.

Segundo Kopper, a empresa "permitiu as detenções" e pode ser que, ao compartilhar informações com a polícia, "contribuísse para elas". Ele sugeriu que Volkswagen peça desculpas aos ex-funcionários afetados pela conduta.

A sede da montadora se negou a comentar o conteúdo das alegações e reiterou ter encarregado o historiador Kooper de investigar e apresentar um parecer sobre a questão. Kooper apresentará suas conclusões até o final do ano, informa o Spiegel.

O texto explica que há quase dois anos foi aberta em São Paulo uma investigação sobre a Volkswagen do Brasil para determinar a responsabilidade da empresa na violação dos direitos humanos durante a ditadura de 1964 a 1985.

Spiegel aponta que a investigação constatou que alguns galpões em São Bernardo do Campo foram cedidos aos militares e usados como centros de detenção e tortura e que a empresa doou cerca de 200 veículos ao regime militar, depois usados pelos serviços de repressão.

> > Der Spiegel

 


XIII Simpósio Associação Ibero Americana de Filosofia Política: 14-16 outubro, Juiz de Fora
Comissão da Verdade convoca Ustra e Marival Chaves para depoimento público
Peritos argentinos apontam erros primários em análise de ossadas da ditadura no Brasil
Após quase 1 ano, Comissão da Verdade é alvo de críticas
IGP entrega carteira de identidade a Peter Ho Peng, que teve cidadania cassada na ditadura militar
Devolução formal da cidadania brasileira (entrega de RG), ao cidadão PETER HO PENG.
Morre padre Renzo Rossi, defensor dos direitos humanos no Brasil
SEMANA NACIONAL MEMÓRIA E DIREITOS HUMANOS > REFORMAS DE BASE GOVERNO JANGO. - DIA 1° de abril – Câmara Municipal de Porto Alegre.
A construção dos direitos humanos e a representação sobre as (desumanas) condições do PCPA
Cardeal Bergoglio denunciado na Argentina por seqüestros durante a ditadura
Comissão da Verdade pedirá à Argentina informações sobre desaparecimento de 15 brasileiros
Placas de ruas de Porto Alegre são adesivadas com nomes de mulheres
Regime militar ajudou Pinochet com US$ 115 milhões
Omissões marcam livros usados em escolas militares
Importante artigo para se conhecer: Le Brésil n’est pas un pays sérieux?
Comissão precisa ter mais atitude, afirma Marcelo Rubens Paiva
Comissão comprova desaparecimento de militante pelas mãos da Aeronáutica
Uruguai- Nunca terrorismo Novamente estado
NOTA OFICIAL - TRAGÉDIA EM SANTA MARIA
Um dos museus mais interessantes da cidade do México, é o Museo Memorial del 68.

Anterior || ... | 5 | 6 | 7 | 8 | Página 9 | 10 | 11 | 12 | 13 | 14 | ... || Próxima

A+-     A  ?
» Contatos
Movimento de Justiça e Direitos Humanos

Av. Borges de Medeiros, 340 - 94
Porto Alegre - RS

 (51) 3221-9130
 Fale Conosco









Desenvolvimento PROCEMPA