ONG Parceira do PortoWeb

Morre Lícia Peres, socióloga, feminista e militante política

Natural de Salvador, na Bahia, Lícia morava na Capital desde 1964

Foto: Lauro Alves /Agencia RBS

A socióloga Lícia Margarida Macedo de Aguiar Peres morreu nesta quinta-feira, aos 77 anos, em Porto Alegre. Natural de Salvador, na Bahia, morava na Capital desde 1964. Ela era viúva do jornalista gaúcho Glênio Peres (1933-1988), que foi vice-prefeito de Porto Alegre no governo de Alceu Collares (1986-1988). As informações são de Zero Hora.

Formada em Ciências Sociais pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), iniciou a militância política no movimento estudantil. Atuante na resistência à ditadura militar, filiou-se ao Movimento Democrático Brasileiro (MDB). Admiradora de Leonel Brizola, foi uma das fundadoras do Partido Democrático Trabalhista (PDT), no qual atuou durante o período da redemocratização. Participou ativamente das campanhas eleitorais do partido e foi integrante tanto do diretório estadual como do nacional.

Além disso, foi dirigente da Ação da Mulher Trabalhista (AMT), órgão que congrega as mulheres do PDT. Entre outras realizações, a socióloga participou da comissão do Acervo de Luta contra a Ditadura no Rio Grande do Sul desde sua criação, no início dos anos 2000.

Lícia disputou cargos públicos pelo PDT em duas oportunidades: em 2004, quando foi candidata a vice-prefeita de Porto Alegre na chapa em que Vieira da Cunha disputou a prefeitura, e em 2010, quando concorreu ao Senado.

Feminista, fundou e presidiu o Comitê Feminino pela Anistia no Rio Grande do Sul. Escrevia com regularidade artigos relacionados com a temática das mulheres.

Conforme a família, era cinéfila, amante da literatura, da música e das artes. Lícia, que considerava-se porto-alegrense de coração, deixa o filho Lorenzo. O velório está marcado para amanhã às 9h no Teatro Glênio Peres, na Câmara Municipal de Porto Alegre.


Governo quer mapear e identificar locais de tortura
Comissão da Verdade também vai investigar Operação Condor
Brasil-DDHH:Deportación represor argentino es emblemática
Brasil-DDHH:Deportación represor argentino es emblemática
SUPREMA CORTE DE BRASIL CONCEDIÓ LA EXTRADICIÓN - CLAUDIO VALLEJOS
MOVIMENTO DE JUSTIÇA E DIREITOS HUMANOS/Brasil INFORMA: 29° PRÊMIO DIREITOS HUMANOS DE JORNALISMO
Jornal de Floripa Supremo determina extradição de argentino acusado de tortura
Conheça mais um pouco das ações do presidente do MJDH Jair Krshcke
Morre Universindo Díaz, símbolo da luta contra ditadura
SEMINÁRIO> ANOS DE CHUMBO: AS ESTRUTURAS INFORMAIS DA REPRESSÃO EM PORTO ALEGRE. - 30 de Agotos em Porto Alegre
Memória e Verdade: definição de campanhas e audiência pública
SEMINÁRIO> ANOS DE CHUMBO: AS ESTRUTURAS INFORMAIS DA REPRESSÃO EM PORTO ALEGRE. - 30 de Agosto em Porto Alegre
Memória da luta contra ditadura em debate na OAB
Projeto RUA VIVA já está no Maps Google, com o resumo da história e de uma foto de cada militante político. Ele está incluído no site Locais de Resistência, Lutas e Memória.
Paraguay ● GOLPE de ESTADO │ DDHH
Postal convidado para o seminário Anos de Chumbo: a estrutura informal de repressão em Porto Alegre no dia 30 de agosto
SUGIRO QUE A IDEIA ABAIXO SEJA LEVADA A NIVEL NACIONAL
Jurista espanhol diz que Comissão da Verdade precisa propor mudanças nas leis
MANIFESTAÇÃO DE PESAR PELA MORTE DO CARDEAL DOM EUGÊNIO SALES ARCEBISPO EMÉRÉRITO DO RIO DE JANEIRO E UM LUTADOR PELOS DIREITOS HUMANOS
Seminário Internacional Operação Condor

Anterior || ... | 6 | 7 | 8 | 9 | Página 10 | 11 | 12 | 13 | 14 | 15 | ... || Próxima

A+-     A  ?
» Contatos
Movimento de Justiça e Direitos Humanos

Av. Borges de Medeiros, 340 - 94
Porto Alegre - RS

 (51) 3221-9130
 Fale Conosco









Desenvolvimento PROCEMPA