ONG Parceira do PortoWeb

Morre Lícia Peres, socióloga, feminista e militante política

Natural de Salvador, na Bahia, Lícia morava na Capital desde 1964

Foto: Lauro Alves /Agencia RBS

A socióloga Lícia Margarida Macedo de Aguiar Peres morreu nesta quinta-feira, aos 77 anos, em Porto Alegre. Natural de Salvador, na Bahia, morava na Capital desde 1964. Ela era viúva do jornalista gaúcho Glênio Peres (1933-1988), que foi vice-prefeito de Porto Alegre no governo de Alceu Collares (1986-1988). As informações são de Zero Hora.

Formada em Ciências Sociais pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), iniciou a militância política no movimento estudantil. Atuante na resistência à ditadura militar, filiou-se ao Movimento Democrático Brasileiro (MDB). Admiradora de Leonel Brizola, foi uma das fundadoras do Partido Democrático Trabalhista (PDT), no qual atuou durante o período da redemocratização. Participou ativamente das campanhas eleitorais do partido e foi integrante tanto do diretório estadual como do nacional.

Além disso, foi dirigente da Ação da Mulher Trabalhista (AMT), órgão que congrega as mulheres do PDT. Entre outras realizações, a socióloga participou da comissão do Acervo de Luta contra a Ditadura no Rio Grande do Sul desde sua criação, no início dos anos 2000.

Lícia disputou cargos públicos pelo PDT em duas oportunidades: em 2004, quando foi candidata a vice-prefeita de Porto Alegre na chapa em que Vieira da Cunha disputou a prefeitura, e em 2010, quando concorreu ao Senado.

Feminista, fundou e presidiu o Comitê Feminino pela Anistia no Rio Grande do Sul. Escrevia com regularidade artigos relacionados com a temática das mulheres.

Conforme a família, era cinéfila, amante da literatura, da música e das artes. Lícia, que considerava-se porto-alegrense de coração, deixa o filho Lorenzo. O velório está marcado para amanhã às 9h no Teatro Glênio Peres, na Câmara Municipal de Porto Alegre.


OAB lotou para entrega do Prêmio Direitos Humanos de Jornalismo.
-Vejam os vencedores do 34º Prêmio Direitos Humanos de Jornalismo que receberão suas premiações às 20 horas no auditório da OAB/RS - Rua Washington Luiz, 1.110 – 2º andar - Porto Alegre/RS. -
HOJE, 10 DE DEZEMBRO, É COMEMORADO O DIA INTERNACIONAL D OS DIREITOS HUMANOS
CERIMÔNIA DE ENTREGA DOS PRÊMIOS - Vejam os vencedores do 34º Prêmio Direitos Humanos de Jornalismo - Dia 11 de dezembro de 2017, às 20 horas - Auditório da OAB/RS - Rua Washington Luiz, 1.110 – 2º andar - Porto Alegre/RS
Justiça da Itália ouve presidente de ONG de direitos humanos em processo contra ex-agentes da ditadura
Pesquisadora da University of Oxford, de Londres faz pesquisa sobre a Operação Condor em arquivos do Movimento de Justiça e Direitos Humanos do Rio Grande do Sul
Encerram hoje (20/11/2017), às 18h, as inscrições para participar no 34º Prêmio Direitos Humanos de Jornalismo
ATENÇÃO: AS INSCRIÇÕES AO 34º PRÊMIOD DIREITOS HUMANOS DE JORNALISMO ENCERRAM DIA 20 DE NOVEMBRO de 2017
Triste notícia. Morreu o jornalista Fernando Antônio Lemos Goulart
O Brasil perde uma eferência na ciência política, Moniz Bandeira, que morre aos 81 anos
Abertas as inscrições para o 34º Prêmio Direitos Humanos de Jornalismo 2017
34º Prêmio Direitos Humanos de Jornalismo
El futuro de los derechos humanos
Meio século depois, líderes da Operação Condor seguem sem punição
OAB-SP lança documentário sobre história da entidade
Livro aborda o sequestro dos Uruguaios na Operação Condor
OAB do RS concede Comenda Oswaldo Vergara ao advogado Luiz Francisco Corrêa Barbosa
Der Spiegel: Volkswagen espionou e torturou funcionários durante ditadura no Brasil
“Uruguay ni dio la cara”
Resolución de la Asamblea General de la OEA constituye un avance para la libertad de expresión y seguridad de periodistas

Página 1 | 2 | 3 | 4 | 5 | 6 | 7 | 8 | 9 | 10 | ... || Próxima

A+-     A  ?
» Contatos
Movimento de Justiça e Direitos Humanos

Av. Borges de Medeiros, 340 - 94
Porto Alegre - RS

 (51) 3221-9130
 Fale Conosco









Desenvolvimento PROCEMPA