ONG Parceira do PortoWeb

Governo quer mapear e identificar locais de tortura

Governo quer mapear e identificar locais de tortura

 

A Secretaria de Direitos Humanos quer criar uma política nacional de sítios de memória.

A proposta do governo é contribuir para a localização de espaços públicos e privados que foram usados para atos de violações de direitos humanos durante a ditadura militar e identificá-los, assim como a Casa da Morte em Petrópolis, na região serrana do Rio de Janeiro.

 

A Prefeitura de Petrópolis declarou o local como de utilidade pública em 24 de agosto e vai transformar o centro de tortura em museu, voltado para o resgate da memória e verdade.

 

A proposta de criação de um conjunto de sítios de memória foi apresentada nesta quarta-feira (26), durante a reunião da Comissão de Mortos e Desaparecidos Políticos. "Vamos estabelecer um período pedagógico mais forte a partir de agora", ressaltou a ministra dos Direitos Humanos, Maria do Rosário.

 

Segundo a ministra, marcar os sítios é contribuir para que violações não se repitam no País.

 

Integrantes do governo afirmam que ainda não há uma mapa com possíveis locais de memória. Eles reforçam a necessidade da participação de Estados, municípios e da sociedade civil na localização e demarcação desses lugares.

 

No governo ainda se discute sobre a transformação de bases militares, usadas como local de tortura, em sítios de memória. O tema é sensível e pode despertar a reação das Forças Armadas, colocando mais uma vez a secretaria em rota de colisão com os militares.

 

O primeiro ato do projeto será a realização de um seminário no Rio de Janeiro, nos dias 23 e 24 de outubro, sobre sítios de memória. Na última reunião de Altas Autoridades em Direitos Humanos do Mercosul, o plenário aprovou um documento apontando como um dos princípios fundamentais a recuperação e preservação de locais onde foram cometidas graves violações de direitos humanos durante as ditaduras militares no Cone Sul.

 

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo


Comissão da Verdade também vai investigar Operação Condor
Brasil-DDHH:Deportación represor argentino es emblemática
Brasil-DDHH:Deportación represor argentino es emblemática
SUPREMA CORTE DE BRASIL CONCEDIÓ LA EXTRADICIÓN - CLAUDIO VALLEJOS
MOVIMENTO DE JUSTIÇA E DIREITOS HUMANOS/Brasil INFORMA: 29° PRÊMIO DIREITOS HUMANOS DE JORNALISMO
Jornal de Floripa Supremo determina extradição de argentino acusado de tortura
Conheça mais um pouco das ações do presidente do MJDH Jair Krshcke
Morre Universindo Díaz, símbolo da luta contra ditadura
SEMINÁRIO> ANOS DE CHUMBO: AS ESTRUTURAS INFORMAIS DA REPRESSÃO EM PORTO ALEGRE. - 30 de Agotos em Porto Alegre
Memória e Verdade: definição de campanhas e audiência pública
SEMINÁRIO> ANOS DE CHUMBO: AS ESTRUTURAS INFORMAIS DA REPRESSÃO EM PORTO ALEGRE. - 30 de Agosto em Porto Alegre
Memória da luta contra ditadura em debate na OAB
Projeto RUA VIVA já está no Maps Google, com o resumo da história e de uma foto de cada militante político. Ele está incluído no site Locais de Resistência, Lutas e Memória.
Paraguay ● GOLPE de ESTADO │ DDHH
Postal convidado para o seminário Anos de Chumbo: a estrutura informal de repressão em Porto Alegre no dia 30 de agosto
SUGIRO QUE A IDEIA ABAIXO SEJA LEVADA A NIVEL NACIONAL
Jurista espanhol diz que Comissão da Verdade precisa propor mudanças nas leis
MANIFESTAÇÃO DE PESAR PELA MORTE DO CARDEAL DOM EUGÊNIO SALES ARCEBISPO EMÉRÉRITO DO RIO DE JANEIRO E UM LUTADOR PELOS DIREITOS HUMANOS
Seminário Internacional Operação Condor

Anterior || ... | 6 | 7 | 8 | 9 | Página 10 | 11 | 12 | 13 | 14 | 15 | ... || Próxima

A+-     A  ?
» Contatos
Movimento de Justiça e Direitos Humanos

Av. Borges de Medeiros, 340 - 94
Porto Alegre - RS

 (51) 3221-9130
 Fale Conosco









Desenvolvimento PROCEMPA